Seu próprio eu - As Ruínas de Jorge

Euclides carregou quase metade do entulho até a caçamba e já estava todo ensopadode suor. Oswaldo havia carregado alguns blocos e tirado um pouco das cinzas com uma vassoura que a mulher de Euclides emprestou. Jorge ia retirando os entulho de cima de alguns objetos e ia vasculhando pra ver se encontrava algo inteiro.

Os dois homens estavam cançados, mas Jorge não esboçava sinais de fadiga, apenas retirava blocos e tijolos e separava objetos na calçada. Euclides convidou-os para entrar, ele queria tomar um banho e Oswaldo já estava um pouco irritado com a teimosia do amigo.

Quando enfim conseguiram convencer Jorge a entrar e tomar um copo d’água, Euclides foi direto para o chuveiro. Coitado. O homem trabalhara a noite inteira e ainda removeu todo aquele entulho.

Enquanto isso a mulher de Euclides preparou um suco de laranja e serviu aos dois homens.

_ Tomem um pouco de suco. Vocês estão desidratando com esse calor.

_ Obrigado _ agradeceu Oswaldo. Mas Jorge pegou o copo sem olhar para a mulher. Apenas encheu a boca com o suco e continuo olhando para fora, onde estava o esqueleto de sua casa. _ Eu não sei o seu nome..

_ É Margarete.

_ Muito prazer Margarete. Sou Oswaldo, amigo de Jorge. Desculpa invadir sua casa assim, mas o Euclides insistiu.

_ Imagina. Vocês precisavam mesmo descansar.

_ O Jorge principalmente. Não dormiu bem e já venho cedinho pra cá.

_ É muito triste tudo isso. A Thaís estava tão feliz com a casa nova. Ela me levou lá pra ver como tinha ficado. Um palácio. Você sabia que ela decorou a cozinha inteira com bordados e rendas que ela mesma fez?

_ Eu não sabia. Não tive tempo ode vir visitá-los. Meu trabalho não me deixa sair muito.

_ Você trabalha com o que?

_ Eu sou eletricista companhia telefônica.

_ Ah… Aqueles que ficam pendurados nos postes?

_ É, esse mesmo.

_ Você está se sentindo bem Jorge? _ Margarete estava preocupada com o silencio de Jorge (todos estavam). Não que ele fosse um homem falante, mas quando uma pessoa fica muito quieta depois de uma tragédia dessas é preocupante mesmo.

Jorge não pronunciava palavra alguma. Em nenhum momento. ficava assim, olhando o horizonte. conversando consigo mesmo em pensamento. Só Deus sabe o que tanto ele dialoga com seu próprio eu.

_ As Ruínas de Jorge, Cap. 4

Jake dos Santos

Instagram