SÁBADO DE CHUVA


Manhã de chuva num sábado meio triste. Parece aé que o céu chora. Abro a janela para testemunhar o derramar do das lágrimas divinas. Abro a janela e vejo o céu branco coberto de nuvens densas que desempenham seu papel de protetoras do manto azul que chora. Com essa textura uniforme as nuvens me lembram uma folha em branco, sem linhas. Que nos dá a liberdade de pintar sobre ela as cores que nos representam e nos alimentam.
Abaixo das nuvens os morros verdejantes e avermelhados trazem a esperança em expansão. O desejo da escalada e a vitória em picos de consagração. Depois vem a descida, como em uma montanha russa dá aquele friozinho na barriga e uma pequena excitação.
Ao pé do morro estão as casas e nessas casas está o povo. O povo mineiro, que é calmo e religioso. Um povo que às vezes é preguiçoso, mas que faz graça de tudo e ainda é caridoso. Um povo que anda devagar e vive sem pressa.
Ao longe eu vejo as fábricas. A fumaça denuncia a indústria que nunca para. A produção em massa do mineiro que se arrasta. Dali sai o produto que alimenta o mundo. O mundinho do mineiro que é astuto. Carros entram e saem e o som das máquinas é o que eu escuto.
A rodovia pulsa conscientemente da sua tarefa contínua. A travessia de histórias que poderão se encontrar um dia. Ligando corações apaixonados e familiares apartados pela dura vida de ter que se dividir entre os dois lados. A rodovia sabe e não julga nem condena. Não julga o jovem de bicicleta na contramão fazendo graça na rodovia quase vazia. Não condena o motociclista que caiu depressa  bem no meio da rodovia e o sangue que escore pondo em risco a sua vida. A rodovia é imparcial às vidas que correm sobre o asfalto, sobre as razões que as levam para cada lado, sobre as vidas que ali se arriscam e sobre os que preferem ali nem serem vistos.
O céu finalmente se entrega ao choro, num soluço silencioso. Triste pelas muitas histórias que ignoramos. Triste pelas muitas vidas se estão se desencontrando. Triste pelo fato de que muitos mineiros estão ali só trabalhando e nunca descaçando. Os mineiros que dispersos, se revoltam em silêncio e seguem trabalhando na esperança do reencontro com aqueles que vêm amando.

Projeto 642 - Cinco coisas que você vê do lado de fora da sua janela.

Jake dos Santos

Instagram