O QUE PERTENCE AO MAR


Heitor era jovem pescador quando saiu pela primeira vez sozinho para alto mar, seu pai havia ficado de cama por causa de uma indigestão grave. O jovem era magro, mas forte, tinha os cabelos negros e a pele queimada pelo sal e pelo sol. Ele já tinha experiência em águas rasas, mas seu pai sempre lhe dizia para tomar cuidado com as coisas que o mar sempre traz. Raras foram as vezes em que o mar trouxe às águas rasas da vila criaturas estranhas e disformes já sem vida. Os pescadores acreditavam que era algum aviso dos deuses para que não pescassem naquele período. Houve uma vez em que muitas frutas coloridas foram trazidas pela maré alta, algumas deles eles nunca haviam provado e os mais velhos da ilha disseram que era um presente daqueles que os vigiavam do outro lado.
O jovem jamais contestou as crenças do povo da vila, acreditava em todas elas. Fez sua prece aos deuses antes de entrar no barco e prometeu que traria a mesma quantidade de peixes que seu pai, nenhum a mais. Ele sabia que se quisesse poderia levar muito mais do que seu pai. Era mais jovem, mais forte e desenvolveu algumas técnicas que seu pai se recusava a usar. Mesmo assim ele lembrou-se do que sua mãe havia dito antes de sair para o mar. “O mar sempre nos oferece o que precisamos, não há razão para se aventurar para além do mar”. Ele não entendeu o conselho a principio, mas agora vendo a imensidão daquele mar ele percebeu que se tivesse um barco maior com certeza iria querer se aventurar para além das águas cristalinas daquele mar. Mais ao longe as águas ficavam turvas e obscuras. Todos acreditavam que aquela parte do mar era propriedade dos deuses e ninguém ousava navegar para lá.
O jovem pescador já havia conseguido a quantidade exata que seu pai estava acostumado a levar. Ficou ali comtemplando o horizonte e as águas escuras, questionando-se se havia algo além do mar. De repente ouviu um barulho de algo se debatendo na água do mar. Virou-se e viu que alguém havia mergulhado e estava agora a nadar. Era uma mulher, de cabelos loiros e braços magros nadando como um peixe divertidamente. Deu uma boa olhada em volta e não avistou nenhum barco, grande ou pequeno que pudesse tê-la levado até ali. Ela parou em frente ao jovem flutuando na água e sorridente.
_ Como chegou aqui? – ele quis saber.
_ Um barco amigo. Me deixaram para trás. _ Ela debruçou na beirada do barco e ficou encarando-o.
_ Quer que eu lhe dê uma carona de volta? É muita água para nadar...
Ela aceitou e ele a viu subir no barco de forma ágil e sem ajuda. Eles seguiram até a praia conversando sobre os peixes que Heitor costumava pescar. Ela falou da paixão pelo mar e de como gostava de nadar. Heitor vendeu os peixes, levou alguns para casa e a convidou para jantar. Ela aceitou com o mesmo sorriso encantador. Quando a noite já estava escura e o mar brilhava com a luz da lua ela se despediu e disse que teria que voltar.
Foram até a praia e Heitor a assistiu brincar com a areia.  Ela passeou a beira-mar. Pegou algumas conchas e guardou-as das dobras da saia.  Ele sentou na areia e deixou-a partir, sem tirar os olhos da mulher cujos cabelos tinham o brilho do sol. Mais adiante ela entrou na água novamente e nadou até alto mar. Então ele percebeu que como uma sereia, ela pertencia ao mar.

Jake dos Santos

Instagram